Eu atribuo o meu sensato poder de análise de concluir com certeza, a tudo que eu me aplique para solucionar. E muito importante: eu passo a agir bastante consciente, convicto que chegarei ao resultado previsto. Jamais eu vou incutir na minha mente que eu viva um momento muito difícil e que eu não tenha como resolvê-lo. Há sempre um meio. Entender que para problema só há um jeito: é a sua solução, e agindo para tal no entorno do conserto.

Quer particularmente, quer que tenhamos de considerar as crises como empecilhos,  o indispensável é contra atacar, planejando, reduzindo despesas, e continuar a vida sem qualquer desespero, por sempre se enxergar as “saídas” – o conserto. Como diz o autor – e nós mais vividos somos provas disso -, as crises “machucam”, há até quem tire vantagens delas, certo é que passam e se acabam; e assim, tudo se normaliza e novamente seguimos a vida.

O que eu noto, é que numa parte da humanidade, nem há crise instalada, mas muitas pessoas descontroladas compõem suas próprias crises porque são mesmo desregradas. Estes sim estão sempre em crise, e invariavelmente, é difícil mudarem as atitudes. Diz também o autor  – e com muita propriedade -, que há sim, pessoas “fortes”. Elas não se inculcam com o “difícil”. Otimistas como são por convicção, elas estão sempre bem, porque sabem como agi, com Fé em si.

Este modelo é uma escolha mental, e a eles a vida sempre lhes sorrir. Quando há um choro – se perfeição de vida não existe -, antes de caírem um ou dois pingos de lágrimas, o lenço já absorveu,  e “eles se danam de novo na carreira -,” e pegam a rota de costume, tudo fazendo com o devido capricho, como sempre fizeram e fazem – na normalidade de todos os tempos.

Para estes sim, com muito merecimento a súplica do autor, “que eles sempre recebam a bênção de toda coragem do mundo”, já que para os “fortes”, com sua pompa conseguida à custa do trabalho, temos que fazê-los os nossos elogios como reconhecimento. As lições que nos ofertam para lhes imitarmos e retirarmos proveitos, agradeçamo-lhes pelas utilidades.

– Meu G∴ A∴ D∴ U∴, – Quantos ensinamentos para nós neste título! E é tudo gratuito! Eu já arquivei em meu encéfalo, e ainda mais anotei para usar – sem esta de me considerar o “dunga” -, pois eu imito e sempre imitarei os sábios com quem tanto aprendo.

Gratidão, Senhor.

Edmar Carneiro
at
José Edmar Carneiro, Mestre Maçom da Loja Goaçalves Ledo Nº 89 - Orador da Loja, Membro da Acadêmia Maçônica de Letras do Estado do Ceará. No Mundo Profano - Advogado, mas deempenhei no âmbito do Trabalho, o Cargo de Gestor de Administração de Vendas, atualmente - Aposentado.